top of page

Oito Motivos...



Não seja essa pessoa, principalmente durante reuniões familiares.

Você não tem idéia do que passa dentro do corpo, cabeça e coração de uma mulher.


Para você pode parecer uma pergunta simples, mas além de ser uma pergunta um tanto inconveniente, para algumas mulheres pode ser um gatilho, dores profundas. Não coloque os seus achismos, as suas expectativas e o SEU desejo de ter um sobrinho, amiguinho, netinho acima do RESPEITO à individualidade de uma mulher. Questões como infertilidade, abortos espontâneos e pressão social referente a maternidade levam muitas mulheres para clínicas médicas e consultórios terapêuticos, o tempo todo.


Esta é a minha versão inspirada na publicação da revista Trip , deste tema que me toca bastante. Primeiro, porque não sou mãe aos quase 40 e segundo, porque trabalho atendendo mulheres e todos os dias questões e desafios relacionados aos ciclos femininos, entre menstruação, fertilidade, gestação, parto, puerpério, maternidade, criatividade e etc… fazem parte do meu dia a dia. E apesar de estarem relacionados, cada um destes "temas" representa um universo.


Poderia fazer um textão, incluindo assuntos como maternidade solo, ausência de uma rede de apoio, a dificuldade de encontrar um parceiro ou parceira, incapacidade dos homens exercerem a paternidade real e positiva, falta de estrutura...

Adicionei apenas o motivo 6 na lista, mas poderia seguir…


Que possamos seguir educando nossas meninas para elas serem o que quiserem, e isso inclui a liberdade de escolher quando ou se querem ser ou não mães.


Trechos do texto PORQUE NÃO. da @revistatrip:


"O desejo de ser mãe não é inerente à mulher, mesmo muitos queriam continuar acreditando que toda mulher é uma mãe potencial.”


“Maternidade é uma experiência complexa, muitas vezes romantizada. O mais importante é descobrir se esse desejo é seu."


Recomendo a leitura do texto no link da bio do perfil @revistatrip


コメント


bottom of page